21 maio 2006

desenhos com sal sobre uma placa de aço

Vídeo interessante de uma experiência com uma placa de aço funcionando como um alto-falante, sobre a qual jogam sal de cozinha. A medida que o som muda, o sal forma novos e diferentes desenhos. Quanto mais agudo o som, mais fracionados os desenhos com o sal.
Link do vídeo: http://www.zipped.org/index2.php?&file=cool.salt.wmv&sort=Date&skip=0&show=5

03 maio 2006

Por que a gente não vê mais projetos com planos inclinados por aí?


Salvador, Rio de Janeiro e Santos têm tantos em funcionamento desde o século 19... Dizem que na região Sul tem mais ainda (mais novos)... Dizem que Ouro Preto teve projetos e até obras, tanto de um funicular, quanto de um elevador público (como o de Salvador). Por que Minas, com tantas montanhas e tantas falhas geológicas dividindo cidades em degraus, não tem planos inclinados, nem em projetos malucos de estudantes?

Depois de uma viagem a Salvador para consultorias sobre mobiliário urbano, em que, muito por acaso, acabei visitando um plano inclinado recém inaugurado, hoje de manhã, acabei fazendo uma espécie de pesquisa pré-tfg. Como eu quase não tenho o que fazer, tanto trabalho deve servir para tentar resolver algumas das minhas mais tenras, e mais fortes, impressões urbanísticas, ou culpas traumáticas de infância, sei lá, quando eu ia visitar uns amigos que moravam em Copacabana (perto do Corte do Cantagalo) e na Glória (a família Moreira Salles), só porque, em vez de elevador, eles iam para casa em planos inclinados.

Abaixo, seguem algumas informações básicas sobre os ascensores públicos de Salvador, e alguns links (com muita fotos internéticas) sobre funiculares no Rio, em Santos e em outros lugares do mundo. Isto tudo talvez sirva, enfim, para ajudar os malucos que resolverem fazer projetos deste tipo (TFGs, essas coisas...), sem citar fontes nem inspirações, como manda a mística dos arquitetos sempre geniais.

Um plano inclinado ou funicular usa a tecnologia dos elevadores (um cabo puxando um carro para cima) misturada à tecnologia dos trens (um carro que se move sobre trilhos). Dizem que a invenção data do século 15. Os trens têm rodas e trilhos de aço (e não de borracha) justamente para diminuir o atrito em deslocamento, mas, devido à carga, não subiriam ladeiras inclinadas nem que tivessem pneus de borracha. Assim deve ter sido inventado o trem puxado por cabos, onde as rodas e os trilhos apenas serviam para guiar o trem. O funicular emprega dois carros ao mesmo tempo, ligados por um só cabo, para diminuir o gasto energético, porque quando um carro sobe, o outro, de mesmo peso, desce. Assim, o motor dará conta apenas do atrito e da diferença de pesos entre os carros.

No Plano Inclinado do Pilar (o da foto acima), dois bondinhos, interligados por um cabo único (quando um sobe o outro desce), ligam a Cidade Alta à Cidade Baixa, unindo o bairro de Santo Antônio Além do Carmo (em frente à Cruz do Paschoal) ao Comércio, atrás do Trapiche Barnabé. O do Pilar, re-inaugurado em Março de 2005, é o terceiro plano inclinado de Salvador em funcionamento, e assim como os demais ascensores de transporte público em serviço em Salvador (Elevador Lacerda e planos inclinados Gonçalves e da Liberdade), o Plano Inclinado do Pilar tem tarifa simbólica (R$0,10 em Maio de 2006), gastando mais do que arrecadam. Mais do que sistemas de transportes públicos alternativos, os ascensores de Salvador fazem parte da história da cidade e foram pensados para driblar a árdua e demorada tarefa de subir e descer as enormes ladeiras que separam Cidade Alta de Baixa. A falha geológica que inspirou o local para a fundação da cidade, e que divide a Salvador em Cidade Alta e Cidade Baixa (junto ao mar) sempre foi uma preocupação dos moradores e planejadores urbanos, e sempre inspirou a construção de elevadores e planos inclinados.

1) O Plano Inclinado Gonçalves liga a Praça da Sé ao Comércio (Rua Conselheiro Lafayette). Sua origem remonta ao século XVII quando naquele local funcionava o chamado “Guindaste dos Padres”, que transportava material de construção e de carga da parte baixa (que chegava ao porto) para que os religiosos construíssem o Colégio dos Jesuítas. Com seus bondes conhecidos também como “Charriot” (que acabou denominando o lugar nesta parte do bairro do Comércio), o PIG foi concebido e construído pelo o Engenheiro João Ramos de Queiroz, da Escola Politécnica da Bahia, que idealizou um bonde funicular a partir do seu projeto anterior “Bonde Caixa de Fósforo”. A sua inauguração aconteceu no ano de 1889; até 1910 funcionou pelo sistema de manivela, depois passou a usar eletricidade; reformulado em agosto de 1931, quando a rampa de 32º 45’ foi aumentada para 35º 45’, a fim de permitir a supressão das escadarias de acesso aos pavimentos superior e inferior. Hoje, cada bonde suporta até 2,7 toneladas. Ao longo dos anos, passou por períodos de fechamento até que foi revitalizado em 1998.

2) O Plano Inclinado Liberdade-Calçada liga a Praça Nelson Mandela (Liberdade) à Rua Barão de Vila da Barra (Calçada) . Este plano inclinado data da década de 80 do século passado e teve como função ligar o bairro da Liberdade, que tem a maior densidade demográfica de Salvador, à Calçada, onde existe uma estação de trem.

3) O Elevador Lacerda liga a Praça Thomé de Souza à Praça Cayru, no Comércio (em frente ao Mercado Modelo). Principal ascensor entre a Cidade Alta e Baixa desde a fundação de Salvador. O primeiro elevador no local era o chamado “Guindaste da Praça” e teve origem no século XVI. As obras de transformação foram iniciadas em 1869 e concluídas em 1873, inaugurando o então Elevador da Conceição. O projeto foi do comerciante Antônio de Lacerda. Em 1896, o ascensor mudou de nome para homenageá-lo. Passou por reformas na década de 1930 que substituíram o sistema hidráulico por elétrico. Na década de 50, passou das mãos de empresa privada para o patrimônio público. Nos anos 80, foi reformado na sua estrutura; em 1997, sofreu a última grande reforma que deu ao Lacerda sua feição atual.

4) O Elevador do Taboão ligava a Ladeira do Taboão à Rua do Taboão, ao lado da Rua do Julião, no ComércioOperava com duas cabines (20 pessoas cada). As ruínas do Elevador do Taboão estão lá até hoje. As cabines não existem mais. Porém, permanecem o gradeado de ferro e a fachada, na parte baixa, onde se lê em alto-relevo Elevador do Taboão. A propriedade é da prefeitura, mas, tanto na parte de cima como na de baixo, as instalações foram tomadas por comércio de consertos de sapatos e bolsas: o Rápido Brasil (em cima) e o Rapidão Bahiano (embaixo). O Elevador do Taboão foi inaugurado dia 19 de janeiro de 1896 pela Companhia Linha Circular de Carris da Bahia. Foi desativado em 1959 já nas mãos do poder público. Sua revitalização foi promessa de campanha do prefeito João Henrique.

5) O Plano Inclinado Pilar liga os bairros de Santo Antônio Além do Carmo (na Cruz do Paschoal) e Comércio (Pilar), na altura do Trapiche Barnabé. Segundo o historiador Cid Teixeira, os frades carmelitas ocuparam, em data incerta, o local onde posteriormente foi instalado esse plano inclinado. Documentos indicam que depois o transporte tomou forma hidráulica e foi eletrificado em 1910, sendo chamado então de Plano Inclinado do Carmo. Pelos registros da Prefeitura, o atual modelo, o Plano Inclinado Pilar foi construído pelo engenheiro Júlio Brandão a pedido do comerciante Antônio Araújo Porto. Ele facilitava o trânsito entre moradores da freguesia do Santo Antônio Além do Carmo e o Comércio no qual, como o nome já diz, a compra e venda eram intensos. Funcionou até 14 de abril de 1984, durante o mandato de Manoel Castro, por conta da deterioração da área (embaixo). À época, atendia a cerca de 3 mil passageiros por semana. As instalações foram invadidas por sem-tetos que ocuparam o local até as obras de revitalização.

links:

1) sobre o Plano Inclinado do Pilar (o da foto acima), e os outros ascensores em Salvador-BA:
http://www.cultura.gov.br/noticias/na_midia/index.php?p=14711&more=1&c=1&tb=1&pb=1 http://www.stp.salvador.ba.gov.br/categorias/Ascenssores/hist_goncalves2.htm
http://www.ferrolatino.ch/FLBBrasFunicSalvPort.htm

2) sobre história, fabricantes e fornecedores:
http://br.geocities.com/row701/plano-inclinado.htm
http://www.teclev.com.br/plano_inclina.asp
http://www.tecmont.com/scripts/planosinclinados.asp

3) sobre planos inclinados no Rio e em Niterói (diversas fotos):
http://www.ferrolatino.ch/FLBBrasRioFunicEng.htm#FLBBrasRioFunicPortTop
http://www.ferrolatino.ch/FLBBrasRioFunicEng.htm
http://www.santuariodapenhario.com.br/santuario.htm
http://br.geocities.com/zostratus9/rio-plano-01.htm
http://br.geocities.com/row701/rio-gloria-plano.htm

4) sobre planos inclinados na América Latina:
http://www.ferrolatino.ch/FLBStandseilLatAmWeitereEng.htm#FLBWeitStandseilbEngFozIguacu http://www.ferrolatino.ch/FLBStandseilLatAmEng.htm
http://www.ferrolatino.ch/FLBBrasSPPort.htm#FLBBrasSPFunicPort
http://www.pell.portland.or.us/~efbrazil/efsj_road.html

5) sobre transporte público, funiculares, planos inclinados e teleféricos no mundo: http://www.hows.org.uk/personal/rail/ http://www.vesuvioinrete.it/funicolare/e_funicolare.htm http://www.bridgnorthcliffrailway.co.uk/ http://www.funimag.com/funimag19/Lynton01.htm http://www.undiscoveredscotland.co.uk/aviemore/funicular/index.html http://en.wikipedia.org/wiki/Funicular http://www.cliftonrocksrailway.org.uk/ http://www.catnip.co.uk/tracks/funicular/funicular.php
http://br.geocities.com/row701/capa.htm