15 dezembro 2009

mais idéias de TFGs de sucesso: por que ninguém faz uma hidromassagem para o frango assado?

mais uma postagem nada a ver, ou sei lá...



Buenas... Filosofia é foda... Mas enfim... Não se pode negar o carisma de mulheres que conseguem se embrulhar e se desembrulhar com as próprias pernas de forma tão dinâmica. A primeira idéia de uma Solid Potato Salad é a de que esqueceram a salada na geladeira por algumas semanas e a batata virou uma geléia que engoliu tudo.

Detalhes que mudam a vida de uma pessoa: Isso é do filme "Broadway Rhythm" (1944) com as Ross Sisters, que se chamavam Aggie, Maggie and Elmira, mas que na verdade se chamavam: Vicki, Dixie and Betsy Ross.

visita técnica: alto da obra do Burj Dubai

mais idéias de TFGs de sucesso: por que ninguém faz nada com portas? Por que não uma porta do cacete? Por que tanta gente burra como uma porta?






Uma porta abre e fecha possibilidades. Tem a famosa do Duchamp que abre um cômodo à direita, quando fecha o da esquerda, ou vice-versa, mas na verdade abre e fecha muito mais coisas. Post copiado da porta aberta pelo Fabio Novembre no blog dele, IoNoi, indicado algumas postagens logo abaixo, e re-recomendado aqui.

postagem nada a ver, ou, sei lá, tudo a ver, você decide

bandejas urbanísticas





As duas últimas são do mesmo cara do site recomendado logo abaixo (IoNoi), o Fabio Novembre, que como artista plástico tem um site próprio mais legal ainda: http://www.novembre.it/ . A primeira é do Robert Venturi (o Campidolglio), e deve ter sido a inspiração. As do Fabio Novembre são muito mais legais, convenhamos, com todo respeito ao Robert Venturi.

coisa para embasbacar professor de curso de arquitetura metido a artista conceitual



É meio old, mas ainda é útil.

site interessantíssimo, bacana mermo

http://www.ionoi.it/

idéias-zinhas para TFGs de sucesso (pena que esse já ganhou um concurso)







__________________________________________________________

Na verdade é um projeto MVRDV em colaboração com ADEPT chamado Sky Village (pesquisa isso no Google images). São imagens relativamente recentes (acho que de Novembro de 2009) do resultado do concurso (Sky­scraper Competition) do principado (ou coisa assim) de Rødovre na Dinamarca.

Essa torre chega a 116m e o programa prevê apartamentos, hotel, lojas e escritórios. O bacana é que o partido estrutural (digamos assim) permite mil outras configurações.

Essa idéia de encaixotar gente não é muito nova (pesquisar Moshe Safdie, Habitat 67, Alexey Pajitnov, Tetris, 1985), mas em termos de MRVDRVMRMVVDMRDVMR esse projeto parece uma evolução muito boa desse outro projeto, que você pode ver aqui (vale a pena), porque eu não vou postar fotos misturadas dos dois projetos nesta postagem aqui: http://www.designboom.com/weblog/cat/9/view/7009/mvrdv-with-blanca-lleo-celosia-residence-madrid.html

Neste site aqui tem ótimas imagens do Sky Village, inclusive plantas, esquemas estruturais etc: http://www.dysturb.net/2008/mvrdvs-sky-village-winning-skyscraper-competition-entry/

Aqui também tem mais umas coisinhas: http://www.jetsongreen.com/2008/11/roedovre-tower.html

02 dezembro 2009

mais trabalho de aluno: artigos que outros professores pedem para os alunos publicarem

A circulação é a espinha dorsal da atividade urbana, a cidade é projetada para que o espaço destinado ao transito seja feito para forma mais racional, econômica e ágil, seja a locomoção feita a pé, automóvel, bicicleta, o deslocamento por espaços mais longos e alternativos são vistos em segundo plano.”...a tecnologia da locomoção- dos automóveis às grandes rodovias[...] o espaço se tornou um lugar de passagem, medida pela facilidade com que dirigimos através dele ou nos afastamos[...]Transformando em simples corredor, o espaço urbano perde qualquer atrativo.”1
O espaço urbano acaba empobrecido em áreas de grandes fluxos, não gerando relações entre as pessoas que nele vivem, mesmo que temporariamente, obrigando muitas vezes ao uso de espaços particulares, já que o espaço não atende aos usuários. Na cidade de New York, a estrutura ferroviária chamada de High line(Linha Alta, em inglês) construída na década 30 do século passado para o transporte de mercadorias, mas na década de 80 do mesmo século, a linha foi desativada e virando um ponto esquecido da cidade e apreciado por exploradores urbanos. Em 2001 o ex-prefeito Rudy Guiliani, tentou demoli-lá, mas com uma ação comunitária, agrupada numa organização sem fins lucrativos, denominada “Friends of High Line“, conseguiu impedir essa ação. Em abril de 2006 o novo prefeito, Michael Bloomberg, deu início a reurbanização do que restou da antiga linha. 4 princípios guiaram o projeto, “manter o local simples, mantê-lo silencioso, mantê-lo com aspecto selvagem e mantê-lo voltado para a contemplação” proposta por Diller Scofidio +Renfro. A ideia foi manter uma atmosfera já existente, e a vegetação que lá cresceu de forma espontânea. Um deck de madeira está sendo colocado no local onde os trilhos foram retirados, e isso permitirá que a grama cresça em suas bordas, dando ao parque uma feição de não ter sido planejado, próxima a existente quando ele estava abandonado.2
Na cidade de Ipatinga, mais especificamente no decorrer da avenida Selim José de Sales, muito do espaço entre a ciclovia e automobilística são usados ou como estacionamentos e alguns bicicletários, com o termino do expediente, torna-se um local com o uso para barraquinhas, com as pessoas usando cadeiras ou sentando no chão, atacando o espaço e transformando ele a forma que desejam, não o que ele impõem “...O suporte que melhor o atende pode ser improvisado de forma móvel, sendo negociada de pessoa para pessoa, como sentar em um banco ou uso de um espaço particular ou publico, sendo ocupado por melhor bom senso da negociação, podendo ocupar até uma rua em horários vagos e sem muita circulação.”3 Com uma resposta para a necessidade do uso, criação de pérgolas nas áreas próximas a ciclovia, com bancos e canteiros, alguns até com bebedouros públicos e outros mesinhas com cadeiras para a conversa olho-a-olho ou o consumo de alimentos, sentar e formar uma roda de conversa na grama, de forma que a pessoa que passa caminhando pelo local, posas parar e descansar durante este deslocamento, não necessitando somente de bares ou lanchonetes para o descanso, seja rápido ou longo.

Notas Bibliografias

1. SENNET, Richard- Carne e Pedra-1994 p.17-18
2. http://www.skyscrapercity.com/archive/index.php/t-891902.html (compilação)
3. KUNSCH, Graziela- Prática Urbana p.21-22, (comentário baseado neste texto)

Marcos Vinicius Oliveira Meireles

30 novembro 2009

HDRs presepadas no Flickr

P1010106 2nd take

trabalho de aluno: artigo do Carlos Vinícius (Buda)

Carlos Vinícius de Souza Fontes
Artigo

A relação entre a arquitetura e o mundo digital

A computação revolucionou o mundo. Isso todo mundo já sabe.
Novos meios de comunicação e interação foram criados; metodologias ampliadas e qualificadas, milhares de portas foram abertas; uma interface multifuncional de desenvolvimento cultural e educacional deixando qualquer mero cidadão interligado com todo o resto do mundo com o clicar de um botão. Podemos até dizer a respeito de uma era AC/DC (Antes da Computação/Depois da Computação).
Contudo a questão a discutir é como essa revolução virtual está relacionada com a evolução arquitetônica e qual o seu significado na atualidade, positivo ou negativamente.
Há pouco tempo atrás, debruçado sobre uma prancheta, um bom desenho técnico reforçado por nankins de varias penas, ou croquis e rabiscos representativos no tradicional lápis macio eram essenciais para o entendimento de um projeto arquitetônico. Hoje em dia a arquitetura digital basicamente extinguiu essas necessidades, impondo uma visualização e percepção de espaço (virtual) muito mais ampla.
A autora Ana Paula Baltazar, arquiteta formada pela UFMG, escreve sobre a arquitetura atual e o paradigma computacional, deixando claro que estas questões em arquitetura não podem ser dirigidas apenas em termos de futuro, mas já estão estabelecidas na realidade da prática arquitetônica e produção do espaço.

“...é possível avaliar a arquitetura atual sem estabelecê-la como uma tendência futura, mas entendendo-a como o começo de um novo paradigma cuja seqüência não é linear, ou seja, o paradigma computacional não pretende uma fixação espaço-temporal como o perspectívico, ao contrário, o novo paradigma é baseado na velocidade (dinâmica espaço-temporal) e possibilidade de mudança. A avaliação da arquitetura atual não pode estar presa a relação espaço-tempo, mas a tempo-comportamento, que é uma relação de transformação contínua onde material e não-material se influenciam simultaneamente.”

Outra autora, Regiane Trevisan Pupo, mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina escreve sobre um workshop que o professor Loukas Nicholas Kalisperis, do curso de Arquitetura da Pennsylvania State University – USA, realizou em 2006 na Universidade Federal da Bahia, fazendo uma concepção da arquitetura em ambiente computacional. Segundo ele nas fases iniciais de projeto, o que importa é a forma da intenção, e que se defina por si mesma, como conceito, sem medidas ou escala. A utilização da tridimensionalidade, segundo o professor, permite um maior entendimento do espaço entre altura x profundidade x massa, nos quais, juntos, resultam na forma, permitindo o entendimento de diferentes componentes. Kalisperis acha extremamente necessário a utilização da computação mais sem perder a idéia da representação manual, mas também salienta que “os computadores deveriam ser utilizados para esboços, exploração e geração de formas e não para simples representação e documentação”.
“... é extremamente coerente que os laboratórios de computação para arquitetura, especialmente na educação, sejam compostos de ambientes com uma relação simbiônica – uma associação e entendimento entre o homem e a máquina. Kalisperis ironiza que “os laboratórios de computação gráfica são um mal necessário”. Como a própria arquitetura, os laboratórios de CAD são argumentação e produção. Os estudantes devem desenvolver seus projetos onde possam acomodar computador (meio digital), papel (meio tradicional) e maquetes físicas. E completa que, simultaneamente, qualquer que seja o software utilizado para projeto de arquitetura, deveria lidar com a tectônica: Modelagem x Esboço / Físico x Virtual”.
Um bom exemplo dessa mentalidade arquitetônica conformista são as maquetes eletrônicas de uma casa, onde o usuário tem a experiência de estar visitando virtualmente esse espaço forçando uma intenção de sensações geradas pelo produto digital-final. O problema maior dessa conformidade é que este processo de utilização das ferramentas para usos na arquitetura é tracionado pela necessidade que o arquiteto tem, hoje, de está inserido no mercado de trabalho onde também pode ser entrelaçado à doença do chamado “falta de tempo”.
Uma maquete eletrônica ou um desenho técnico em computador torna a representação e a realização de um projeto muito mais rápida e eficiente, porém pode perder em sensibilidade e preocupação com grande parte dos elementos necessários para uma arquitetura efetiva.
Helio Piñón (Onda, Espanha) arquiteto e doutor em Arquitetura pela ETSAB-UPC, apresenta sua opinião, descrevendo sincero apego ainda ao desenho manual, mais que os benefícios propiciados pela virtualização arquitetônica são de fato compensatórios.

“Esboçarei aqui os motivos do meu entusiasmo pela tecnologia digital e para isso me concentrarei em três aspectos em que sua contribuição tem sido fundamental: por um lado, os programas de CAD são um meio de representação muito preciso ainda que - pelo que vejo - o seu uso seja difícil e esteja mais orientado à razão do que aos sentidos, o que não é um bom presságio, tratando-se de um instrumento da arquitetura. Dir-se-ia que esses programas são mais adequados à mentalidade mecânica de um escriturário que ao espírito ordenador e sensível de um arquiteto. De qualquer modo, se conseguimos superar as dificuldades operativas - o que não é um obstáculo irrelevante para aqueles cujo propósito transcende o instrumento-, obtemos um privilégio que até pouco só estava ao alcance dos deuses: ter uma visão simultânea do projeto, isto é, poder passar da escala 1:1 à 1:100 com um leve gesto de um dedo da mão com a qual manejamos o mouse.”

“Em segundo lugar, tais programas de desenho permitem elaborar - ou extrair de catálogos e bibliotecas técnicas - elementos arquitetônicos concretos - tijolos, perfis metálicos, perfis de esquadrias, entre outros -, o que libera a representação da tirania da linha: no limite, um bom desenho de computador não deveria ter linhas, senão articular elementos pré-definidos nos quais a linha é só a convenção que - ao envolvê-los - determina sua identidade.”
São vários os exemplos que, atualmente, essa metamorfose impactante que penetra na metrópole, já podem ser integrados à rotina urbana.
A Bolsa de Valores de Nova Iorque (The New York Stock Exchange - NYSE) integrou em 1999 seu banco de dados em um sistema informatizado dinâmico. A idéia era criar um espaço cibernético onde seus acionistas poderiam navegar na bolsa, tendo todo tipo de informação possível relacionado rápido e fácil de usar.
No processo de desenvolvimento do design e projeto do sistema de intercâmbio virtual, a NYSE contratou uma firma de arquitetura de Nova Iorque, a Asymptote. Esta empresa foi fundada em 1989 por Hani Rashid e Lise Anne Couture, e é bem conhecida nos meios da arquitetura nas competições e apresentações que exploram a relação entre o mundo digital e físico. Esse projeto significava para a Asymptote, uma oportunidade única para construir o que eles já tinham experimentado por quase uma década.
A intensidade de uma Bolsa de Valores devia ser expressada na representação virtual a fim de ser facilmente compreendida pelos usuários, principalmente sendo a NYSE, uma das bolsas de valores mais importantes do mundo.
A concepção do espaço virtual "tinha que ser um reflexo da intensidade e da linguagem arquitetônica da NYSE hoje.”, disse Rashid. Assim foi criado a 3-D Trading Floor (3DTF), um espaço cibernético interativo todo projetado para atender as necessidades da NYSE. "Abordamos o trabalho como se fosse um projeto arquitetônico tradicional", disse Hani Rashid e Lise Anne Couture em uma entrevista no MoMA (Museu de Arte Moderna de NY).
O totalmente interativo 3-D Trading Floor (3DTF) consolidou vários fluxos de dados. Nas paredes do tal mundo virtual, apareciam os preços das ações, notícias, índices e vídeo ao vivo das grandes redes de televisão, que são constantemente transmitidas em tempo real. No chão do 3DTF estandes comerciais são dispostos como estão na disposição real, para melhor facilidade de entendimento dos usuários, sendo possível manipular até mesmo replays imediatos para a análise rápida das atividades que ocorrem no intercâmbio durante o dia.
A 3DTF permite aos usuários, acesso a muitos tipos de informação em tempo real, algo impossível de se fazer no espaço real ou com bases de dados atuais.
"A idéia era criar um ambiente visual através do qual os operadores podem navegar, analisar e agir em um relance de ações. O mercado é muito dinâmico", expressou o arquiteto. No final, os arquitetos da Asymptote demonstram grandes esperanças para o futuro papel da arquitetura no ciberespaço. Eles pensam que o comércio possui tendências atuais maçantes para a Internet e a tecnologia atual.
Dito isto, não é necessário insistir que a grande contribuição da tecnologia digital ao projeto de arquitetura permanece praticamente hipnotizada pelas vantagens operativas do computador e pelo seu “fator estimulante da fantasia”, seja ele qual for. São diversos os impactos que já podem ser notados na arquitetura, desde o surgimento de novas tipologias de edifícios, como as Coffee Houses e Lan Houses; as alterações em um processo de design e produção do espaço, até também impactos pouco mais sutis, mas muitos significativos como a descentralização de atividades cotidianas como o trabalho, a socialização e até métodos de lazer.






as imagens não referenciadas podem ser pesquisadas de forma reversa por aqui:
http://www.tineye.com/

edital do desafio do aviãozinho de papel

copiado e mal adaptado do THE GUINNESS RULES FOR THE TIME ALOFT RECORD

1. O que interessa é a duração do voo do aviãozinho, em tempo ou em distância.
2. A platéia é o juri soberano.
3. Valem três tentativas para cada desafio.
4. O treco voador (não precisa ser avião) deve ser construído de uma única folha A4 de papel. O peso não pode ultrapassar 200g. Abaixo de 100g o resultado é multiplicado por 1,5. O papel pode ser recortado e suas partes podem ser reajuntados (coladas, soldadas, melecada etc). Vale usar fita adesiva de celulose, entre 25 mm e 30 mm de largura. Cola, tinta podem ser usadas. Clips e grampos metálicos não podem ser usados.
5. A nave deve ser lançada por uma única pessoa parada, sem ajuda de mais ninguém, sem correr, sem pular, sem rampas, nem tamboretes, sem salto alto, nem nada que eleve a altura do lançador. A aeronave pode ser lançada de uma sacada, balcão etc desde que por todos os competidores.
6. A medida da distância será feita por fita em linha reta, ou por cronômetro, do momento do lançamento até o repouso no chão.
7. Se a aeronave bater, se dobrar, for atacada por uma ave, levar uma pedrada etc, azar do lançador. O lançador só pode usar suas três tentativas. Se outros lançadores/competidores lançarem qualquer coisa nas aeronaves, mesmo que seja sopro e cuspe, será desclassificado.

links interessantes:
http://super.abril.com.br/superarquivo/2006/conteudo_421723.shtml
http://alfarrabio.org/index.php?itemid=1743
http://br.br101.org/avioes-de-papel.html
http://www.flightsimdaily.com/announcements/microsoft-paper-plane-competition/
http://flightsimx.cyclops.amnesia.com.au/index.html
http://www.flightsimdaily.com/fsx/official-microsoft-fsx-support-and-activesky-upgrade/
http://www.uncledean.net/2007PaperAirplaneContest.html
http://en.wikipedia.org/wiki/Paper_plane
http://www.dmoz.org/Arts/Crafts/Paper/Origami/Paper_Airplanes/
http://www.omniwing.com/
http://zurqui.com/crinfocus/paper/airplane
http://www.paperplanedb.org/home/

10 novembro 2009

Por falar em muros



O escritório holandês (eu acho) Td Architects fez uma análise interessante. O mundo murado é o melhor (50 das cidades de melhor qualidade de vida), o mais rico (72% da riqueza do mundo) e mais exclusivo (tudo isso na mão de apenas 14% das pessoas do mundo). Bom, sei lá... O Brasil está bem fora do mundo murado...

fonte: http://td-architects.eu/ um site bacana, mas bem difícil

02 novembro 2009

mais TFGs de sucesso: tenori-on




O Tenori-on é um instrumento musical criado pelos artistas japoneses Toshio Iwai e Yu Nishibori do Music and Human Interface Group da Yamaha Center for Advanced Sound Technology. É uma tela de interruptores LEDs que podem ser ativados em diferentes formas para criar música ambiental.

onde e como comprar: http://www.global.yamaha.com/design/tenori-on/

I need me a car (Junior Wells)






Projeto P.U.M.A. (Personal Urban Mobility and Accessibility) em consórico da GM com a Segway. O treco é praticamente uma cadeira elétrica (só duas rodas) para duas pessoas, mas é legal.

01 novembro 2009

Como (pelo menos) escrever como um arquiteto



Ou compre essas fontes:
http://www.myfonts.com/search?search[text]=architect

Até o vento desenha melhor que você? Tome jeito rapá...

mais tfgs (idiotas) de sucesso garantido: projeto de uma casinha com menos de 9m2



Bom.... Casinha tem vários significados, não é não?

tfgs de sucesso: cano de descarga estufa para transformar dióxido de carbono em oxigênio

desenho urbano: a importância das sombras (agora melhorou)

desenho urbano: a importância das sombras (parte 1)